O que é doce nunca amargou, mas encarece. As despe(n)sas em 2019